Porquê investir num fundo de rendimento?

24/07/2019

Quaisquer que sejam as suas aspirações, o essencial é que disponha de rendimentos suficientes para concretizá-las. Gerar os rendimentos de que necessita a partir das suas poupanças tem vindo a tornar-se mais difícil, uma vez que o retorno disponibilizado através das fontes de rendimento tradicionais tem vindo a diminuir.

 

Queira por favor consultar o glossário para uma explicação sobre os termos de investimento utilizados ao longo desta secção.

Mesmo com um sólido cabaz de poupanças constituídas com esforço, as taxas de juro em mínimos históricos fazem com que o rendimento que o investidor pode obter sobre os seus depósitos possa ser inferior às suas expectativas ou necessidades.

B31A400430134AC091B56B6D5C950100

A solução certa terá de estar alinhada com as suas metas e necessidades, mas o investimento de algumas das suas poupanças tendo em vista gerar algum rendimento pode ajudá-lo a alcançar as suas metas sem ter de comprometer o seu futuro financeiro.

Investir para rendimento

Há uma série de investimentos que podem gerar rendimento, incluindo obrigações e ações de empresas, desde que esteja disposto a aceitar algum nível de risco. Quando conjugados, estes investimentos permitem a construção de uma carteira vocacionada para lhe proporcionar um fluxo regular de rendimentos.

Alguns investimentos podem ajudar a concretizar um rendimento que ofereça alguma proteção contra o desgaste provocado pela subida dos preços ao longo do tempo. Por exemplo, algumas obrigações pagam cupões indexados a índices, sendo que o seu rendimento aumenta ou diminui consoante a inflação.

Outros investimentos podem proporcionar um rendimento crescente, se forem bem-sucedidos. Ao investir em ações de empresas que pagam dividendos, por exemplo, poderá esperar que algumas destas distribuições de rendimento aumentem ao longo do tempo se a empresa conseguir aumentar os seus lucros. Como seria de esperar, há normalmente uma relação inversa entre a segurança do rendimento dos investimentos e o possível aumento do rendimento ou valor.

Na gestão de uma carteira com o objetivo de assegurar um fluxo de rendimento a longo prazo, o investidor pode vender os seus investimentos de forma constante ao longo do tempo. Uma alternativa mais interessante poderá ser a de gerar rendimento de forma sustentável a partir dos ativos subjacentes, deixando ao mesmo tempo intacto o seu cabaz de investimentos.

Se for bem-sucedida, esta abordagem poderá não só proporcionar-lhe um rendimento fiável ou crescente, como também preservar melhor o valor das suas poupanças para cobrir custos desconhecidos ou transmitir às gerações mais novas no futuro.

Investir em fundos para obter rendimento

Os fundos geridos por profissionais – que conjugam uma variedade de ativos num só investimento – procurarão concretizar um objetivo específico que possa assemelhar-se de perto às suas próprias metas pessoais. Quando os fundos geram rendimento a partir dos investimentos que fazem, esse rendimento será pago ao investidor de forma periódica, por exemplo, trimestral ou anualmente, consoante o fundo.

Há muitos fundos que visam a obtenção de um rendimento regular ou crescente, ao mesmo tempo que procuram evitar ou minimizar a diminuição do capital para os investidores. Os gestores dos fundos procurarão concretizar os seus objetivos ao longo de um dado período através da seleção e gestão ativas de uma combinação de ativos.

Apesar de alguns fundos de rendimento poderem focar-se num tipo de ativos, normalmente obrigações ou ações de empresa, há outros que adotam uma abordagem a que se chama multiativos. Através da combinação de uma variedade de ativos à escala global e geradores de rendimento, esta abordagem consegue reduzir os riscos associados à detenção de apenas uma categoria de ativos, e procura um rendimento mais consistente para os investidores. Os fundos multiativos podem, assim, constituir uma alternativa à tomada isolada de decisões complexas em matéria de alocação de ativos por parte do investidor.

O sucesso das estratégias de investimento que visam a concretização de um rendimento assentará no modo como essas estratégias são geridas. A chave está em conseguir identificar ativos geradores de rendimento que proporcionem um valor interessante no longo prazo utilizando um enquadramento que seja fiável e repetível.

Quer pretenda gerar rendimento a partir de uma categoria de ativos específicos ou investindo numa combinação de ativos, a colaboração com uma equipa de gestão de fundos experiente poderá ajudá-lo a alcançar os seus objetivos de longo prazo.

Tenha em mente que o valor dos ativos de qualquer fundo diminuirá e também aumentará, o que fará com que o valor do seu investimento diminua e aumente, e poderá receber menos do que inicialmente investiu. Não há qualquer garantia de que o fundo atinja o seu objetivo, e o investidor poderá não recuperar o montante inicialmente investido.

Um investimento em ações ou títulos de rendimento fixo comporta um risco superior ao dos depósitos em numerário. Um investimento em ações ou em títulos de rendimento fixo sofrerá variações no seu valor.

Informamos que não nos é possível dar qualquer tipo de aconselhamento financeiro. As opiniões expressas neste documento não devem ser consideradas como sendo uma recomendação, conselho ou previsão.

Esta informação não é uma oferta nem uma solicitação de uma oferta para a aquisição de um investimento em acções em nenhum dos Fundos aqui referidos. As Aquisições de um Fundo deverão ter por base o Prospecto actual. O Acto de Constituição, Prospecto, Informações Fundamentais destinadas aos Investidores, Relatório de Investimento e Demonstrações Financeiras, estão disponíveis gratuitamente na M&G International Investments S.A. Antes de subscreverem títulos, os investidores devem ler o Prospeto, que inclui uma descrição dos riscos de investimento relativos a estes fundos. Esta divulgação financeira é publicada pela M&G International Investments S.A. Sede: 16, boulevard Royal, L 2449, Luxembourg. A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, (a “CMVM”) recebeu a notificação do passaporte, nos termos da Directiva 2009/65/CE do Parlamento Europeu e do Conselho e do Regulamento da Comissão (EU) 584/2010, permitindo que o fundo seja distribuído ao público em Portugal.